O BANDIDO DA LUZ VERMELHA, Rogério Sganzerla

BR | 1968 | FIC | PB | 92’

A “poesia furiosa” do cinema de Rogério Sganzerla (1946-2004) vai tomar Santa Maria da Feira de assalto com o filme O Bandido da Luz Vermelha exibido em cópia restaurada, assinalando os 50 anos do filme, e com a presença de Helena Ignez, considerada a musa do cinema marginal.

Homenagem

REALIZAÇÃO  Rogério Sganzerla
PRODUTOR
ARGUMENTO  Rogério Sganzerla
FOTOGRAFIA Peter Overbeck
MONTAGEM  Sylvio Renoldi
SOM Júlio Perez Caballar, Mara Duvall
MÚSICA (selecção) Rogério Sganzerla

COM Paulo Villaça, Helena Ignez, Sérgio Hingst, Pagano Sobrinho, Sergio Mamberti, Luiz Linhares, Sonia Braga, Ítala Nandi, Renato Consorte, Antonio Lima, Maurice Copovilla, Ozualdo Candeias, Roberto Luna, José Marinho, Carlos Reichenbach, Marie Caroline Whitaker, Renata Souza Dantas, Ezequiel Neves e Lola Brah.

Sinopse: Segundo o diretor, o filme “é um far-west sobre o terceiro mundo. Isto é, fusão e mixagem de vários gêneros. (…) um filme-soma; um far-west, mas também musical, documentário, policial, comédia (ou chanchada?) e ficção científica”. Rogério Sganzerla, no seu primeiro longa-metragem, traça um panorama geral e atemporal do Brasil através da trajetória de um foragido da polícia em crise de identidade. Welles, Godard, policial noir, chanchada, Jimi Hendrix, história em quadrinhos, terrorismo, miséria, corrupção política e desespero compõem um painel apocalíptico do país.